Ir para o conteúdo
ou
ou

Realização

Execução

Organização

 Voltar a Minicursos
Tela cheia

MC5

27 de Junho de 2016, 18:36 , por Maria Emanuelli Jacomini Gonçalvez -
Visualizado 370 vezes

Minicurso 5

Utilizando Análise e Mineração de Redes Complexas para Gerenciar e Monitorar Ecossistemas de Software

Com Rodrigo Santos e Jonice Oliveira

Quinta-feira (22/09)
11:00 às 13:00
14:00 às 16:00

Resumo

Na última década, o desenvolvimento de plataformas de software globalizadas, de larga escala e de longo prazo tem propiciado o surgimento de sistemas mais complexos, compostos por uma rede de diversos atores e artefatos, internos e externos, que formam um Ecossistema de Software (ECOS). Uma vez que a indústria vem demandando soluções para lidar com aspectos técnicos, econômicos e sociais de tais sistemas, podemos modelar ECOSs como redes, mais especificamente, redes complexas. As redes, que basicamente são descritas como conjuntos de itens conectados entre si, são observadas em inúmeras situações, sendo formadas por artefatos e pessoas (ou grupos de pessoas) com algum padrão de contato ou interação entre si. Analisar tais redes – como se criam, se desenvolvem, como o conhecimento flui entre elas ao longo do tempo, bem como prever a criação de possíveis relacionamentos – envolve um conjunto de métodos, modelos, teorias e ferramentas. Tais elementos tomam por objetos de estudo não apenas os atributos dos indivíduos (idade, profissão, competências, interesses, localização geográfica etc.), mas as relações entre indivíduos e os artefatos que essas relações oferecem, tais como as regularidades das trocas, a formação e a transformação do sistema de relação e seus efeitos sobre os comportamentos individuais, refletindo até no organizacional. Este minicurso visa apresentar os conceitos básicos para se entender, manipular, interpretar redes complexas e como podem ser aplicados para gerenciar e monitorar ECOS, mostrando os principais métodos analíticos, exemplos de casos reais e projetos na área.

 

Tópicos

Análises e Mineração de Redes Complexas. O minicurso será iniciado com alguns conceitos básicos sobre análise e mineração de redes complexas, isto é, sua origem, sua aplicabilidade e como o resultado da análise das características pessoais e de suas interações pode auxiliar no entendimento das redes. A ideia é mostrar a importância de cuidar das redes sociais e das redes técnicas em plataformas de ecossistemas apresentando, ao mesmo tempo, a complexidade de lidar com isso. Assim, apresentar-se-ão algumas métricas e modelos de visualização de redes.

Métodos e Técnicas para Gerenciar e Monitorar de ECOS. Nesta parte do minicurso, são apresentados alguns conceitos sobre os atores e as redes no processo de desenvolvimento de software, visando compreender a interação artefato-stakeholder. A partir disso, serão discutidos conceitos básicos sobre o estado da arte e prática em ECOSs com foco no gerenciamento e monitoramento de seu núcleo, i.e., a plataforma. Níveis e categorias de ECOSs serão explicados, bem como alguns modelos para sua visualização existentes, a fim de motivar a aplicação da análise e mineração de redes complexas na terceira parte deste minicurso.

Casos Reais. O objetivo desta parte do minicurso é utilizar o ferramental conceitual apresentado pelas duas primeiras partes para descrever casos reais de ECOSs e discutir como a análise de redes complexas pode apoiar no monitoramento dos ECOSs. Com o intuito de que os participantes entendam melhor essa parte do minicurso, alguns exemplos serão apresentados para que eles analisem ECOSs reais, no caso, iOS, SAP, Eclipse e Portal do Software Público Brasileiro (SPB). Decisões cotidianas que impactam a plataforma, a comunidade e o modelo de negócio tratadas do ponto de vista da “saúde social” do ECOS também serão discutidas.

 

Sobre os ministrantes

Rodrigo Santos é Professor do Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO. É pesquisador no LENS/Reuse (COPPE/UFRJ), tendo como temas
de pesquisa: ecossistemas de software (ECOS), engenharia de requisitos e aquisição. Consultor em processos de software e monitoramento de ECOS pela Fundação Coppetec (clientes: CEPEL, MPOG e CAPGov). Foi co-chair do CBSoft/WDES 2015 e é co-chair do SBQS/WASHES 2016. Ministrou tutoriais no SBQS (2015/09), CBSOFT (2013/12), SBSI (2013/11/10), CIbSE (2012), SBIE (2010) e ICTAC (2010). Realiza Pós-doutorado no Programa de Engenharia de Sistemas e Computação da COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro/RJ, onde obteve o título de doutor no tema “Ecossistemas de Software”, com período sanduíche na University College London (UCL).
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/8613736894676086.

 

Jonice Oliveira é Doutora em Engenharia de Sistemas e Computação pela COPPE/UFRJ (2007). Durante o seu doutorado, recebeu o prêmio IBM Ph.D. Fellowship Award. Na mesma instituição, realizou Pós-doutorado, concluído em 2008. Desde 2009, é Professora Adjunta do Departamento de Ciência da Computação da UFRJ e atua no Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI-UFRJ). Atualmente, coordena o curso de graduação em Análise de Suporte à Decisão. Tornou-se Jovem Cientista do Nosso Estado pela FAPERJ (desde 2013) e atuou como professora visitante no Insight Centre for Data Analytics (Irlanda) durante três meses (2015), do qual permanece como colaboradora. Coordena o Laboratório CORES (Laboratório de Computação Social e Análise de Redes Sociais), onde conduz pesquisas multidisciplinares para o entendimento, simulação e fomento às interações sociais. Suas principais áreas de pesquisa são Gestão do Conhecimento, Análise de Redes Sociais, Big Data, Suporte à Decisão, Colaboração e Recomendação.
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/0990344839864230